Comentários da Lição 12 (3o Trim/2017) por Membros da Classe do Moisés Sanches Júnior

15 de setembro de 2017

formacao_-tempo-de-clamar-o-espirito-santo

Vivendo pelo Espírito
VERSO PARA MEMORIZAR: “Por isso digo: Vivam pelo Espírito, e de modo nenhum satisfarão os desejos da carne” (Gl 5:16, NVI).
 
Estamos quase no final do trimestre, e precisamos de 12 lições para descobrir que o mundo protestante moderno está correto em suas afirmações:
 
1. Não estamos debaixo da Lei!
2. Vivemos sob nova Aliança – a Graça, e sob nova Direção – o Espírito!
3.  A Lei foi pregada na Cruz!
– e a maior de todas as descobertas
 
 4. A Lei foi de fato abolida na cruz!
 
Ok. Eu entendi seu espanto, mas antes que você me condene pelas quatro afirmações acima, tenha paciência e espere até o final da reflexão.
Comecemos por relembrar os objetivos para esta semana:

Saber: O que significa viver pelo Espírito.

Sentir: O conflito em que estamos envolvidos, sob a influência de uma natureza pecaminosa, embora almejemos que nossa vida seja dirigida pelo Espírito.

Fazer: Escolher viver cada momento em sintonia com o Espírito.

1. Não estamos debaixo da Lei

O primeiro aprendizado desta semana, que aliás, depois de 11 lições já deveríamos saber de “trás pra diante”, é que definitivamente não estamos debaixo da Lei.

Sim, e isto é verdade por qualquer das perspectivas.

Perspectiva 1: não estamos debaixo da Lei do pecado.

Sim, pode acreditar, desde Gênesis 3:15 até apocalipse 22, a Bíblia insiste categoricamente que o pecado foi vencido, e todo aquele que aceita Cristo, o primeiro e o último, o Todo Poderoso, está livre da Lei do pecado.  Está é uma concessão graciosa que se extende a todos indistintamente.

Perspectiva 2: não estamos debaixo da Lei da morte

É verdade. Todo aquele que crê, ainda que esteja morto voltará a viver. Como todos pecamos, e estamos mortos, resta-nos apenas está esperança para que a vida possa fazer algum sentido.

Perspectiva 3: não estamos debaixo da Lei de Deus, mas debaixo da graça

É igualmente verdade, pois nenhum de nós é santo, justo ou bom, e portanto, nenhum de nós é perfeito. Sendo assim, qualquer que busquem na Lei de Deus esperança de salvação, descobrirá, se der tempo, a amarga frustração de não conseguir atender-lhes os parâmetros/critérios.  A consequência inevitável da desobediência – a morte – é a única certeza democrática a todo aquele que tentar andar por este caminho.

Mas antes que você tome conclusões apressadas, deixe-me alerta-lo de que o problema não está com a Lei, nem tampouco com o Legislador. A Lei é e sempre será Santa, justa e boa. O problema, é como dizemos na informática, de BO (o burrinho do operador), aquela pecinha que fica entre o teclado e a cadeira. (E não fique bravo comigo, pois se você ficar bravo, isso só confirma que eu estava certo, pois, Gal. 5:22 diz que um dos sabores do fruto do espírito é a longanimidade.)

Esta descoberta – que somos todos pecadores e carentes da graça de Deus, completamente incapazes e insuficientes, nos faz eternos devedores d’Ele e de sua misericórdia e poder. O que nos conduz ao segundo tópico.
2. Vivemos sob nova Aliança – a Graça, e sob nova Direção – o Espírito!
 
Do minuto seguinte após o pecado de Adão, sim, de Adão, afinal, o pecado não entrou no mundo por causa de Eva, mas por culpa do tal do Adão – … “por um homem entrou no mundo o pecado…”, daquele instante em seguida, todos nós trocamos de dono. De filhos de Deus, fomos feitos filhos do Demo (por isso tenho minhas preocupações com a Demo Cracia. Prefiro a Teo Cracia)
 
Acontece que Deus não ficou parado assistindo passivamente a derrocada de Seus filhos. Em sua infinita bondade, moveu-se na direção de seus filhos perdidos, os achou no primeiro esconde-esconde de que se tem notícia, e propôs uma nova aliança – a graça. 
Fez duas roupas de pele, deu de presente ao casal, e imprimiu no peito e nas costas de ambas uma informação: “Sob nova direção”!
Fantástico!! A partir daquele momento, Adão e Eva tinham a oportunidade de continuar com Satanás ou aceitar seu novo uniforme – o de Cristo.
Este ponto oferta duas grandes verdades. A primeira, é que diferente do que pensam alguns modernos cristãos, a Aliança da Graça é mais antiga que a do Sinai, é muito mais antiga que a cruz do novo testamento. A Graça está em Gênesis, êxodo e Deuteronômio, escaneando que Deus é e sempre foi amor.
A segunda grande verdade que essa cena evidencia é que existe sim um uniforme.  Por isso, muito cuidado ao ignorar o que aconteceu no monte Sinai.  
Os hebreus haviam abandonado o uniforme de Cristo e se vestido de
Escravos de faraó.  Os cristãos precisam entender de uma vez por todas que a maravilha da Graça é a transformação e não o status quo. A maravilha da Graça é a mudança de estado, de condição, de vida, “de roupas” (folhas de figueira X pele do Cordeiro), e isto deixa claro a todos que 
nos observam, que vivemos sob nova direção. 
Sim, andar e conviver com o Paidagós, o Paracletos, o grande professor – Espírito Santo – resultará em sermos, por Seu poder, transformados no Espirito pela Graça.
Não se trata de tentar fazer algo para salvação. Trata-se de fazer algo porque fomos salvos e estamos sob nova direção. 
Como na Grécia antiga, paulo nos propõe a pedagogia de Cristo – caminhar o caminho – Andar no Espirito, com o Espirito, pelo Espírito, para o Espírito. E pelo método, técnicas e estratégias deste Professor, sermos moldados e transformados a cada dia.
(#ficaadica – mesmo que você não goste, ao fim do caminho Tem Prova!!!)
A Graça não é a eliminação da avaliação ao final do processo. A Graça é, antes disso, o reestabelecimento da capacidade é condição de aprendizagem.
3.  A Lei foi pregada na Cruz!
Essa é a frase mais verdadeira é mais MAL compreendida de todas.
O que é a Lei?
A Lei é a expressão do caráter puro e santo de Deus. Portanto, a Lei é, em última instância, o próprio Deus.
Então, temos que concordar que ela foi de fato pregada no madeiro. 
Cristo – A LEI – foi exposto em “praça pública”, morto numa cruz, em nosso lugar.  Está foi sempre a intenção de satanás. Destruir a Lei de Deus e colocar em seu lugar sua própria lei. Em outras palavras, substituir a Deus por ele mesmo, fazendo-se igual a Deus.
 
Aparentemente, por algum tempo,
ele logrou êxito em seu intento. Porém, para sua frustração, feriu apenas o calcanhar de Deus. Por ironia e premeditação do Criador, durante o sábado, Cristo descansou na tumba o doce sono dos justos ( como reza o 4o mandamento da Lei) e na manhã gloriosa do dia seguinte, abriu a semana com a grande e maior das esperanças – a ressureição !
 
O que todo mundo esqueceu é que se
a Lei é Cristo, a Lei ressuscitou naquele dia. 
Se por um lado é verdadeiro que a Lei foi pregada na Cruz, é
Igualmente verdadeiro que a Lei ressuscitou, gloriosa, renovada, Santa é perfeita como sempre foi.
Por que é tão difícil para as pessoas perceberem isso? 
 
4. A Lei foi de fato abolida na cruz!
 
Espero que a esta altura você já tenha compreendido meu tema, ou minha provocação.
A Lei, como a conhecíamos e como nos fez acreditar o inimigo de Deus, foi de uma vez por todas pregada na cruz.
Por 4000 anos satanás tentou nos fazer acreditar num Deus tirano, restritivo, vingativo, irascível e toda sorte de adjetivos que sua mente diabólica era capaz de inventar.
As leis de Deus foram pintadas como um cenário punitivo e limitador de um Deus “cheio de caprichos” é que restringia ao ser humano sua tão desejada liberdade.
É realmente verdade que a Lei foi abolida na cruz. O que NÃO é verdade é que a Lei de Deus tenha sido abolida ali.
Por isso Jesus disse que veio cumprir a
Lei e os profetas, e aboli-los. 
Até aquele momento, a compreensão adulterada de Deus conduzira a humanidade a uma Lei distorcida. 
Esta Lei inventada por satanás foi de fato abolida na cruz, e a verdadeira Lei – a de Deus – ressurgiu em sua gloriosa forma.
Não foram os mandamentos de Deus que foram abolidos ali, mas a forma adulterada de enxerga-los.
Após a cruz, quando percebeu que Cristo – a Lei – ressuscitou vitorioso, satanás compreendeu que sua derrota cabal era só uma questão de tempo, e tentou impingir sobre a humanidade uma compreensão de evangelho adulterada, pintando agora um Deus papai noel, distribuidor de presentes, tão bonzinho que eliminou sua própria lei.
Em seu novo discurso, conduziu a humanidade a uma vida descompromissada de Deus, dirigida por suas próprias paixões e desejos carnais. 
Ao inventar a nova tese – de um Deus sem Lei – afundou a humanidade no pecado mas levando-a a crer que esteja salva na Graça do Cristo.
 
Essa é a essência da advertência de Paulo neste texto de Galatas 5.
 
“Por isso digo: Vivam pelo Espírito, e de modo nenhum satisfarão os desejos da carne” (Gl 5:16, NVI).
O incrível, e aconselho você a fazer isso em casa, é que a lista de desejos que paulo apresenta em Romanos 1:17 em diante, e Gal. 5:19 em diante, é muito mais extensa do que só a parte literal dos 10 mandamentos. 
 
Porque será que ninguém briga com estas duas listas?
 
Na realidade, o problema nunca foram os mandamentos. O problema era apenas o 4o. Mandamento. 
Justamente aquele que nos garante que estamos – SOB NOVA DIREÇÃO.
 
Satanás sabe que assim que a Adoração a Deus for substituída por uma falsa adoração, ele terá garantido vitória, pois estaremos sob sua direção.
 
Sob que direção você deseja estar?
 
 
Pense nisto.
 
MLSJ, 2017