Comentários da Lição 8 (4o Trim/2017) por Membros da Classe do EJC

8 de dezembro de 2017

maxresdefault

Nesta semana estudamos sobre os filhos da promessa, com um enfoque especial para o capítulo 9 da carta de Paulo aos Romanos. Falar sobre os filhos da promessa é relembrar a história dos pais do povo de Israel: Abraão, Isaque e Jacó.

“Certo dia o Senhor Deus disse a Abrão: – Saia da sua terra, do meio dos seus parentes e da casa do seu pai e vá para uma terra que eu lhe mostrarei. Os seus descendentes vão formar uma grande nação.” (Gênesis 12: 1-2 NTLH).

Confiando na promessa de uma grande descendência, humanamente impossível, Abrão obedeceu. Porém, 20 anos depois, ele tentou acelerar os planos de Deus e concebeu Ismael, mas este não era o filho da promessa – o filho escolhido para ser pai de uma grande nação.

“Foi pela fé que Abraão se tornou pai, embora fosse velho demais e a própria Sara não pdesse ter filhos. Ele creu que Deus ia cumprir a Sua promessa.” (Hebreus 11:11 NTLH).

Finalmente Deus cumpriu sua promessa, e nasceu Isaque. Da mesma forma que Isaque foi escolhido ao invés de seu meio-irmão, Deus escolheu Jacó desde o ventre materno para se tornar Israel, e não Esaú.

“No seu ventre há duas nações; você dara à luz dois povos inimigos. Um será mais forte do que o outro, e o mais velho será dominado pelo mais moço.” (Gênesis 25:23 NTLH).

De igual maneira, Deus seguiu conduzindo o seu povo escolhido, cumprindo o que prometera a Abraão, pois desejava fazer deles um exemplo na Terra a fim de que todas as nações, ao contemplarem o povo de Israel, enxergassem-nO através deles. Mas Israel, vez após vez, falhou em cumprir o propósito de Deus, a ponto de rejeitar o próprio Messias e conduzi-lo à morte, pois Jesus não atendia às suas expectativas.

No capítulo 9 de Romanos, Paulo encontra a difícil tarefa de explicar o problema dos judeus –como exprimir em palavras que o povo a quem Deus estendeu todas as promessas rejeitou o Seu filho? Por isso o apóstolo se entristece.

Mas a Palavra de Deus não falhou.

Embora a maioria dos judeus tenha rejeitado a mensagem do evangelho, e os gentios a estejam recebendo com alegria, isto não significa que as promessas de Deus foram quebradas. Sua Palavra não falhou e como vemos nos versos 27, 28 e 29, há ainda um remanescente em Israel que não se desviou dos planos de Deus para o povo.

É importante entender que não é porque Ismael e Esaú não foram escolhidos para serem os pais do povo de Deus que estes estavam excluídos da salvação. Uma coisa é quem Deus escolhe para executar uma determinada tarefa na missão de salvar. Outra bem diferente é quem Deus escolhe salvar.  Paulo assegura que todos estão predestinados à salvação.  Mas tão certo como isto é verdadeiro, também é fato de que nem todos escolhem ser salvos. A salvação está destinada a todos os que de bom grado a aceitem.  Porém, nem todos os salvos são escolhidos por Deus para executar os grandes desafios da missão.  Embora todos tenhamos nossa própria parte a executar na grande missão de salvar o mundo, algumas tarefas exigem talentos específicos e expõe o comissionado a desafios que não necessariamente todos estejam preparados.  Vale lembrar que alguns comissionados morrerão em combate.

De igual modo, não é porque Deus elegeu Abraão, Isaque, Jacó e tantos outros para cumprir funções necessárias para o avanço de Sua obra com as nações que estes obrigatoriamente serão salvos.  Assim como os chamados para a missão têm a liberdade de rejeitar a comissão, os chamados para salvação têm a liberdade de rejeitar serem salvos. Quando se trata da salvação, são as escolhas individuais de cada um de nós que nos aproximam ou afastam das promessas de Cristo.

Muitas vezes não compreendemos as escolhas de Deus, como e com qual propósito Ele age. Isto acontece porque somos seres caídos, vivemos em um mundo cheio de pecado, e não nos está disponível assistir aos bastidores desta imensa peça chamada O Grande Conflito.  Porém, como nos assegura o profeta Jeremias, o Deus de nossa salvação nos declara: “só eu conheço os planos que tenho para vocês: prosperidade e não desgraça e um futuro cheio de esperança. Sou eu, o Senhor, quem está falando.” (Jeremias 29:11 NTLH).

Para os judeus era muito difícil entender e aceitar que as promessas de Deus, feitas para os filhos de Abraão, fossem estendidas para os gentios por meio do evangelho, mas Ele estava apenas cumprindo aquilo que havia dito por meio do profeta Oséias: “Chamarei povo meu ao que não era meu povo; e amada, à que não era amada; e no lugar em que se lhes disse; Vós não sois meu povo, ali mesmo serão chamados filhos do Deus vivo. ” (Romanos 9: 25-26 NTLH).

Os judeus não compreenderam que ao buscar uma espécie de justiça baseada no zelo da prática da lei não traria resultados e, ao verem os gentios que parecia não buscarem a justiça e estarem distantes da prática judaica da lei, ao aceitarem o evangelho passassem a ser chamados de filhos de Deus.  Por sua visão obliterada, cometeram o erro de rejeitar também o evangelho – Cristo, e negando o Messias, rejeitaram a única fonte possível para alcançar a justiça e a salvação.

Ao citar o profeta Isaías no final do capítulo 9 – “Vejam!  Estou colocando em Sião uma pedra em que eles vão tropeçar, a rocha que vai fazê-los cair. Mas quem crer nela não ficará desiludido. ” (v. 33 NTLH) –    Paulo procura transmitir, tanto a judeus quanto a gentios, o quanto a resposta de cada indivíduo a Jesus (a pedra angular do templo) é crucial. Não suas obras, não seu passado, mas sua fé, possibilitam a salvação pois, tropeçar em Cristo, é desviar-se do caminho que conduz à justiça.

O estudo dessa semana nos alerta com algumas importantes referências:

  1. Deus SEMPRE cumpre suas promessas
  2. Deus SEMPRE deseja o bem de Seus filhos
  3. Deus SEMPRE respeita a liberdade de escolha de Seus Filhos, mesmo que isso lhe cause tristeza por perde-los
  4. Deus predestinou a todos nós para a salvação, mas a escolha é nossa
  5. A verdade que não converte, endurece o coração do que a rejeita, esta é uma reação natural do pecador para tentar blindar o coração das tentativas misericordiosas de Deus (“Se hoje ouvirdes a minha vós, não endureçais…”)
  6. Deus sabe o que é melhor para nossa salvação, e por isso alguns são escolhidos para desempenhar partes específicas da missão e outros de nós, não
  7. Deus nunca faz escolhas diferentes daquelas que nós mesmos faríamos se, como Ele, pudéssemos ver o fim desde o princípio
  8. Nunca se apresse em concluir os textos de Paulo. Como Pedro adiantou, Paulo escreve difícil, portanto, leia com atenção, interprete com cuidado, e, na dúvida, NÃO ULTRAPASSE!!! Cuidado com os efeitos colaterais de suas conclusões apressadas.

 

#ficaadica

 

“‘A graça de Deus se há manifestado, trazendo salvação a TODOS os homens.’ (Tito 2:11).

‘Isto é bom e agradável diante de Deus nosso Salvador, que quer que todos os homens se salvem, e venham ao conhecimento da verdade. Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem, o qual Se deu a Si mesmo em preço de redenção por todos. ” (Timóteo 2:3-6).

“O Espírito de Deus é concedido livremente, para habilitar todos os homens a apoderar-se dos meios de salvação. Assim Cristo, ‘a verdadeira Luz, ilumina a todo homem que vem ao mundo. ” (João 1:9).

“Os homens não conseguem a salvação, pela recusa voluntária da luz da vida. ” (O Grande Conflito, p. 261).