Meditação diária de 07/04/2018 por Flávio Reti

7 de Abril de 2018

07 de abril

A morsa (Odobenus rosmarus)

I Pedro 2:19 “Porque isto é agradável, que alguém, por causa da consciência para com Deus, suporte tristezas, padecendo injustamente”

Você está pensando em Morsa como aquela ferramenta que fica na bancada dos mecânicos com dois mordentes e uma rosca para apertar e segurar peças a serem trabalhadas, mas não é disso que queremos falar, é da morsa animal, aquele que se parece com o leão marinho, com a foca, mas tem dois dentões pra fora da boca crescendo para baixo e que vive nos oceanos e habita as praias rochosas para descansar e procriar. Não é um animalzinho qualquer, ela chega a pesar 1200 quilos e ter 2.5 metros de comprimento. O macho adulto ainda é maior e mais pesado chegando a 1700 quilos. Além de suas presas salientes que podem chegar a 90 centímetros nas fêmeas e 1 metro nos machos, ela tem bigodes de pelo duro e espesso e a pele enrugada e áspera. A sua cauda é em forma de nadadeira. A morsa significa muito para a cultura dos povos indígenas da região do ártico que caçam a morsa pela sua carne, pele, gordura e as presas. Como são animais de regiões geladas, elas muitas vezes têm que se locomover no gelo, daí uma das maiores utilidades de suas grandes presas: Elas cravam as presas no gelo e arrastam o corpo de modo que para quem olha elas estão sofrendo horrores para se locomover, mas não, elas firmam as presas no gelo e deslizam sobre o gelo com muita facilidade. São animais gregários, vivem em colônias e se dão muito bem entre elas.
A lição que elas nos deixam é a sua capacidade de vencer obstáculos em terra, porque na água elas são exímias nadadoras e conseguem descer até 100 metros de profundidade, apesar de não ter pernas e braços e mãos, além das nadadeiras no lugar dos braços e um nadadeira no lugar da cauda. Se compararmos com as pessoas, nós vamos encontrar muita gente reclamando da situação em que vivem. Nada dá certo, tudo é difícil, a vida é injusta e ingrata, não compensa viver, mas as morsas, mesmo se arrastando sobre as rochas pontiagudas e ferinas, sobrevivem há milhares de anos. Nossa grande dificuldade é aprender a viver, que, aliás, viver é uma arte. Quem consegue aprender essa arte terá muito sucesso na vida, porque o direito ao sucesso pertence a todos.