Meditação diária de 09/03/2018 por Flávio Reti

9 de março de 2018

09 de Março
Guanaco (Lama guanicoe)

Mateus 27:30   “E, cuspindo nele, tiraram-lhe a cana e davam-lhe com ela na cabeça”

Os guanacos fazem parte de uma família chamada de camelídeos, isto é, da família dos camelos. São originários da América do Sul, mormente da região dos Andes. São parecidos com a alpaca, com as lhamas, com a diferença de que os guanacos são animais selvagens e as lhamas e alpacas são domesticadas. Os povos andinos se valem desses animais para tosquiar o pelo e fazer roupas como no Brasil fazemos com a lã das ovelhas. O guanaco é um mamífero ruminante cujo nome vem dos povos indígenas “quechua” e vive predominantemente nas montanhas dos Andes a 4.000 metros de altitude, especialmente no Peru. Os animais dessa espécie, tanto os guanacos, as vicunhas, as lhamas têm uma característica curiosa. São agressivos com estranhos, mas dócil com os conhecidos. Quando um estranho se aproxima, eles conseguem cuspir nas pessoas e tem uma pontaria admirável. Tive a oportunidade de ver, numa avenida de Lima, no Peru, animais dessa espécie pastando na grama do canteiro central da avenida, caminho para nossa Universidade (Universidad Adventista Unión) no bairro de Ñaña. Guanaco também é um apelido que se dá a quem nasce em El Salvador. Os guanacos são insensíveis ao calor porque sua lã isola tanto o frio quanto o calor e precisa apenas de um clima seco para sobreviver. Os guanacos eram muito numerosos nas planícies desde o Peru até a Patagônia, mas vem diminuindo por causa da caça indiscriminada e agora eles são encontrados apenas nos altos dos Andes onde estão a salvo da predação. A cabeça do guanaco sempre fica na posição horizontal, diferente de um cavalo, por exemplo, que tem a cabeça na vertical. Ele também dobra os joelhos para se abaixar, como fazem os camelos.

Mas fiquei muito implicado com a capacidade desse animal cuspir nas pessoas como meio de defesa e me lembrei de como os algozes de Jesus cuspiam nele. “E alguns começaram a cuspir nele e a cobrir-lhe o rosto e a dar-lhe socos e a dizer-lhe: Profetiza. E os guardas receberam-no a bofetadas” (Marcos 14:65).

Os animais da espécie guanaco e da lhama cospem nas pessoas como mecanismo de defesa quando se sentem ameaçados, mas por que as pessoas cuspiram em Jesus? Um comportamento animal, invertendo os papeis. Simplesmente para escarnecer dele, para humilhá-lo. Aqui está uma grande lição: O pecado adulterou tanto a vida do ser humano que o faz se comportar como um animal. A ausência de Jesus no coração embrutece a pessoa que passa a se comportar estupidamente. Imaginem, seres humanos, vis, pecadores contumazes, degradados, cuspirem no rosto do rei do universo, o criador de todas as coisas. Não consigo justificar tal procedimento, senão entendê-lo como atrevimento, insubordinação, estupidez da criatura. Oxalá, nós tenhamos a sensatez de saber com quem estamos tratando para nunca, jamais, exibir um comportamento animalesco.