Meditação diária de 09/04/2018 por Flávio Reti

9 de Abril de 2018

09 de abril

O mosquito preto (Culex quinquefasciatus)

Isaías 35:5   “Então, os olhos dos cegos serão abertos e os ouvidos dos surdos se desimpedirão”

Na África Ocidental, mais de 1 milhão de pessoas sofrem de “cegueira-do-rio”, uma doença causada por um minúsculo mosquito conhecido por lá como “mosquito preto”. Ele é muito parecido com o nosso mosquito borrachudo aqui do Brasil. Ele também se alimenta de sangue e enquanto suga deposita um parasita que se aloja debaixo da pele provocando inchaços que coçam muito. Esses parasitas se multiplicam com incrível rapidez e se espalham pelo corpo penetrando até na córnea, a lente do nosso olho. Alguns parasitas morrem ao chegar à córnea deixando uma mancha que não deixa a luz penetrar e as manchas vão aumentando até atingir toda a córnea e esta vai ficar permanentemente destruída e a vítima vai ficar cega para o resto da vida. Nas áreas onde o mosquito é abundante, uma única pessoa pode ser picada até 13.000 vezes por dia tornando quase impossível evitar o parasita que cega as pessoas. Dentro dessas 13.000 mil possíveis picadas, um deles que esteja infectado pode deixar a doença. Algum tempo depois, as picadas causam feridas que além de coçar também doem. As pessoas ficam cegas por um pequeno mosquitinho e só ficam sabendo depois que já estão infectadas que ficarão cegas para o resto da vida. A cegueira é uma situação difícil de suportar. Existe um mosquito mexicano (Himantopus mexicanus) que chega a medir 38 centímetros de comprimento. Quando adulto, ele tem além das pernas longas cor de rosa, um bico comprido assustador, mais parecendo a agulha preta de uma seringa. Esse assusta, mas é facilmente visível e evitado, enquanto o mosquito preto causador de cegueira é minúsculo e quase invisível.

Pense em quanto um cego almeja a volta de Jesus, quando os cegos voltarão a ver, alguns o verão novamente, outros o verão pela primeira vez. Mas há ainda uma cegueira que pode ser pior do que a cegueira física. Pequenos pecados se infiltram para dentro de nossa vida e, se permitimos que se alastrem para dentro de nossa vida, eles destruirão nossa visão espiritual a ponto de nunca podermos ver o amor de Jesus e nosso coração jamais responderá aos seus apelos. A lição que fica é de não permitirmos que pequenas coisas, pequenos pecadinhos nos impeçam de enxergar sua maravilhosa graça, a fim de que nunca sejamos cegos espirituais tateando neste mundo mau. A vida eterna é muita cara para ser desprezada por pouca coisa deste mundo. Pense, um único pecado, não perdoado por Jesus, pode ser fatal.