Meditação diária de 10/09/2017 por Flávio Reti

10 de setembro de 2017

6

10 de setembro

Dia do gordo

Juízes 3:17   “Levou o tributo a Eglom, rei dos moabitas; era Eglom homem gordo”

Eu me lembro do pastor Antonio Braga fazendo piada com ele mesmo ao dizer do púlpito que era um gordo feliz. A gente se surpreende quando vê algo assim e nem acredita que tiveram a ousadia de criar um dia para comemorar os gordos, eles podem se ofender. Eu só acreditei porque vi na lista das datas comemorativas. Muitos dos gordos, antes que outros zombem deles, eles mesmos fazem suas piadas com a própria situação. Mas para que serve um dia do gordo, para fazer piadas ou para conscientização? Obesidade não é saudável, mas não precisa ser motivo de vergonha pra ninguém. A vida não é radical, existem certo e errado, preto e branco, alto e baixo, gordo e magro, tanta coisa em extremos diferentes e ninguém se incomoda, então, qual o problema? O que você pretende fazer hoje para comemorar? Vai panfletar a cidade, vai fazer um discurso inflamado, vai fazer mais uma piada ou vai entender que é problema dele e que ele deve ter suas razões para ser o que é? Se por acaso você é o gordo, faça o seguinte: Tente viver esse dia sem se recriminar porque comeu um pouquinho a mais, não fique ansioso para caber naquela calça que você não usa há tempo, procure não xingar ninguém que o incomoda, não atenda ligação de ninguém que pergunta da sua dieta. Tire esse dia para esquecer do resto do mundo, ignore os preconceitos, as cobranças e fique na sua, seja você mesmo. Você vai se surpreender descobrindo que você é mais feliz do que muitos pensam a seu respeito e você mesmo não sabia. Muita gente macra pode ter inveja de você.

Lembrei-me de um incidente bíblico com um rei chamado Eglon, rei dos moabitas, por sinal um homem gordo. (Os moabitas eram descendentes de Ló em função de um incesto de Ló com uma de suas filhas (Gen.19:37)). Os israelitas foram servos desse Eglon durante 18 anos (Ju.3:14), mas os filhos de Israel clamaram ao Senhor e este levantou um libertador, Eúde seu nome, e que por acaso era canhoto (v.15). Eúde foi levar o tributo cobrado de Israel ao rei Eglon e assim que entregou o tributo, pediu um momento para conversar em segredo e aproveitou a oportunidade matando Eglon com sua espada. Dali para a frente a terra teve sossego durante 80 anos (v.30 – leia todo o capítulo 3 de Juízes).

Esquece agora o motivo desse dia, se gordo ou magro, e pense no fato de Deus ter atendido seu povo quando este clamou por socorro. Dezoito anos os Israelitas vinham patinando sob o tacão do rei dos moabitas, até o dia em que clamaram ao Senhor e este enviou um libertador. É assim que Deus age, mas ele sempre espera que lhe peçamos. Sem pedirmos ele não pode agir, porque pelo seu próprio caráter ele não viola o direito de escolha, o direito de decisão própria de cada uma das suas criaturas, mas assim que pedimos ele pode carrear todo o exército do céu para acudir o mais humilde de seus filhos. “Pedi e dar-se-vos-á” (Luc.11:9) é o conselho. “Tudo que pedirdes em meu nome eu o farei” (Jo.14:13, 14).

Então, o que falta para termos tudo que precisamos na vida cristã?

Conta-se que Alexandre, o grande, antes de morrer fez três pedidos aos seus ministros: 1º que seu caixão fosse carregado pelos melhores médicos do seu reino. 2º que seus tesouros acumulados durante anos fossem espalhados pelo caminho até o cemitério e 3º que suas mãos ficassem de fora do caixão para que todos vissem. Diante do pedido que surpreendeu os ministros, estes lhe perguntaram o porquê daquilo. Ao que ele respondeu: Quero que os melhores médicos carreguem meu caixão para mostrar que eles não têm poder algum sobre a morte. Quero que meus tesouros sejam espalhados para que todos possam ver que os bens aqui neste mundo conquistados, aqui neste mundo ficam e quero que minhas mãos fiquem de fora do caixão para que as pessoas vejam e entendam que viemos ao mundo com as mãos vazias e de mãos vazias retornamos. Pediu coisas tão esdrúxulas que de nada serviriam e não pediu o principal. Enquanto temos oportunidade, vamos pedir a Deus que nos mude o caráter, que nos dê compreensão da sua vontade, que nos faça cientes das promessas de salvação e nos dê forças para mudar. Vamos pedir tudo, conforme a sua vontade, nunca a nossa.