Meditação diária de 11/02/2018 por Flávio Reti

11 de Fevereiro de 2018

11 DE FEVEREIRO

Cudu de Moçambique (Tragelaphus Strepsiceros)

Apocalipse 22:12 “Eis que cedo venho e está comigo a minha recompensa, para retribuir a cada um segundo a sua obra”

 

Cudu é mais um animal da família dos antílopes que vive na África, região de Angola e Moçambique. É o mais belo dos antílopes. Nessa espécie, o chifre dos machos podem atingir 1.8 metros e são em forma de rosca, espiralados e ondulados. Já as fêmeas não possuem chifres. Os cudus tem a pelagem meio avermelhada e com listras brancas na posição vertical, uma marca distintivas deles. Uma leve lembrança das zebras. Dizem que é o mais belo dos animais do gênero e quando ele quer beber água, ele se aproxima das plantações irrigadas e salta as cercas erguidas pelos plantadores para beber nos canais de irrigação e em seguida, ao invés de voltarem para a mata onde vivem, eles pastam as lavouras dando prejuízo para os lavradores que os caçam impiedosamente. Em épocas de falta de alimento, ele arranca do chão tubérculos e raízes para se alimentar. Ele não vive em grandes manadas, mas em grupos de 6 a 8 animais apenas. Além do homem, seus predadores naturais são os leões, as hienas e os leopardos. Como todos os antílopes, eles são usados para fornecer carne para alimentação, pele para uso geral e vestimentas, e chifres para artesanato, especialmente usados para confecção do SHOFAR, o instrumento de sopro tradicional considerado sagrado pelos judeus que o usam em ocasiões especiais de convocação do povo para as festas e celebrações.

Vamos destacar neles aquelas listas que têm no corpo, que são marcas distintivas da espécie. E vamos fazer um paralelo com o povo de Deus dos últimos dias. O povo de Deus também terá uma marca distintiva que os porão em destaque nos últimos dias. É a guarda do sábado. O mundo inteiro estará mergulhado na ignorância e na escuridão espiritual, numa apostasia inexprimível. Mas em meio a toda essa negra situação dos habitantes da terra, um povo se destacará por possuir uma marca que os distingue dos demais. São os remanescentes de Deus, aqueles que estarão preparados e esperando a aparição de Nosso Senhor Jesus Cristo nos ares para nos levar ao seu reino eterno. Não importa que nós, como os cudus, sejamos caçados como animais pelos inimigos de Deus, importa que estejamos prontos e preparados para aqueles dias que antecederão a volta de Jesus. O futuro nos reserva grandes surpresas, importa que aprendamos agora a confiar nas promessas feitas por Jesus para seus filhos nos últimos dias.