Meditação diária de 21/12/2017 por Flávio Reti

21 de dezembro de 2017

verao-paraiso

21 de Dezembro
Dia do início do verão

Jeremias 8:20   “Passou a cega, findou o verão e nós ainda não estamos salvos”

Há duas palavras que os leigos desconhecem: solstício e equinócio. Solstício tem a ver com a aproximação do sol em relação à terra, mais perto ou mais distante e daí advém o verão e o inverno. Aqui pra nós, no hemisfério sul, o solstício de verão ocorre em dezembro e o solstício de inverno ocorre em junho. No hemisfério norte se dá ao contrário. É o solstício que marca a mudança da estação e o momento exato é medido através de cálculos astronômicos. Para isso existe uma ciência chamada astronomia. Equinócio é o momento em que o sol cruza a linha do equador e o dia e a noite têm a mesma duração. Ocorre também e somente duas vezes ao ano, equinócio de verão e equinócio de inverno.

Sabe aquela brincadeira que professor de Português gosta de fazer quando ensina o uso da vírgula? Ele coloca a frase “levar uma pedra de São Paulo ao rio de Janeiro uma andorinha não faz verão” e pede para o aluno colocar a vírgula para que a frase tenha sentido, seja lógica. O aluno se bate experimentando a vírgula em todas as palavras e não conclui. Daí vem o professor com toda a sabedoria do mundo e faz o seguinte: Copia novamente a frase e coloca a vírgula antes da última palavra assim: “Levar uma pedra de São Paulo ao rio de Janeiro uma andorinha não faz, verão”. Mesmo assim o aluno ainda não entende, porque ele pôs na cabeça que é a estação do ano e mais uma vez vem o professor e diz com toda sabedoria do mundo: Não é a palavra verão estação do ano, é o verbo ver. Levar uma pedra de São Paulo ao Rio de Janeiro uma andorinha não faz, verão se faz. Vocês nunca vão ver, porque ela não faz mesmo.

Brincadeiras à parte, mas desde que Deus criou o mundo já estabeleceu as leis que regem o universo todo. Os enormes astros, estrelas e planetas, estão todos girando no espaço dentro de órbitas definidas desde a criação e não se atrasam e nem se adiantam. Eles descrevem uma órbita circular, elíptica e continuam para sempre conforme foi definido por nosso Deus. Que maravilha saber disso. Há muitas teorias que afirmam categoricamente que a terra vai se acabar batendo num outro astro e se disfacelando no espaço, outros já dizem que um grande meteorito vai se chocar com a terra destruindo-a totalmente. Posso afirmar que nada disso é verdade. A bíblia nos diz que a terra que agora existe está entesourada para o fogo que vai destruí-la totalmente sem deixar raiz e nem ramo (Mal.4:1). E o próximo verso continua dizendo que para os que temem ao nome de Deus “nascerá o sol da justiça” (Mal.4:2). O sol além de ser um astro no espaço que provê de calor a terra, é cercado de muitos significados. O mesmo sol que seca o barro queima as plantações. O mesmo sol que dá vida à terra, também mata seus habitantes com sede e fome. O mesmo sol que traz saúde através da fotossíntese, ele seca a planta. Não é assim com nosso Deus. “Ele é o mesmo ontem, hoje e sempre” (Heb.13:8). Você não confia que amanhã haverá sol para você lavar roupa, ir ao mercado, limpar o quintal, consertar o telhado, limpar a calha e muitas coisas que dependem de um dia de sol, porque o tempo pode mudar e chover amanhã, mas quando se refere a Deus, você pode confiar que ele não muda. Quando somos levados a situações críticas, devemos confiar em Deus. Em toda emergência devemos buscar auxílio daquele que tem à Sua disposição ilimitados recursos.  A atitude coerente é expor nossos desejos ao nosso sábio Pai celestial e então, em perfeita segurança, tudo dele esperar. “Somos inclinados a procurar junto de nossos semelhantes simpatia e ânimo, em vez de procurá-los em Jesus. Em Sua misericórdia e fidelidade, Deus permite muitas vezes que falhem aqueles em quem depositamos confiança, a fim de que possamos compreender quanto é insensato confiar nos homens e apoiar-nos na carne. Confiemos inteira, humilde e desinteressadamente em Deus. Ele conhece as tristezas que nos consomem no mais profundo do ser e que não podemos exprimir. Quando tudo nos parece escuro e inexplicável, lembremo-nos das palavras de Cristo: “O que Eu faço, não o sabes tu, agora, mas tu o saberás depois” (Ciência do Bom Viver, p.486 e João 13:7). Vamos prosseguir confiando, porque confiança se adquire confiando.