Meditação diária de 31/12/2017 por Flávio Reti

31 de dezembro de 2017

0b6df3_b17c20a1b32e4befa4cb907b10ec9c2c

31 de Dezembro
Dia da véspera da virada do ano

Salmos 39:4   “Faze-me conhecer, ó Senhor, o meu fim e qual a medida dos meus dias, para que eu saiba quão frágil sou”

Hoje a vida amanheceu tumultuada. Todo mundo está numa correria louca se preparando para a virada do ano. Pra nós, adventistas, não, porque acabamos de sair do sábado e estamos tranquilos, ainda mais que a gente não se envolve nessas loucuras de final de ano, a não ser com algumas viagens, mas dê uma olhadela ao redor e vai alinhavando quanta coisa acontecendo: Nas praias famosas como Copacabana está uma loucura preparando as balsas com os fogos de artifício que vão iluminar os céus à meia noite. A multidão já começa chegar para reservar um bom lugar para ver os fogos. As casas lotéricas têm filas enormes com pessoas tentando a sorte, concorrendo na proporção de 1 para 180 milhões de apostadores. Os mercados lotados de gente comprando os últimos ingredientes para a ceia da virada. As rodoviárias, os aeroportos, todos lotados de gente se movimentando para ir de um lugar para outro, uns que vão outros que vêm e vira um alvoroço de gente. Os funcionários das empresas de transporte se veem loucos com a movimentação. Até os detentos se movimentam para a saidinha de final de ano, afinal, um final de semana em casa com a família depois de anos preso é bem vindo, embora alguns saiam para voltar ao crime. Lá em Brasília, o congresso está vazio, o único lugar sem movimentação extra é o congresso. Faz dias que os deputados já deixaram Brasília. Nos salões, nos clubes, nalguma praça de cidades a movimentação é para organizar o show de música popular que vai haver nesta noite (samba, pagode, sertanejo, rock) e o povão se movimentando para assistir. Em muitas residências o alvoroço é na preparação da ceia, muita comida, festa em família. Ah! Não podemos esquecer das crendices e simpatias que inventam para essa noite. Muitas são as simpatias de Virada de ano que prometem prosperidade, amor, dinheiro, novo emprego, saúde e muita gente que nem supersticioso é acaba entrando na tentativa. Afinal, é um empurrãozinho na sorte, vai que dê certo! Verdade é que as simpatias e crendices fazem parte da vida de grande número de brasileiros. Veja algumas: vestir-se de branco na noite do réveillon, pular sete ondas, colocar nalgum canto da casa um vaso com sete ervas, tomar banho com sal grosso, amarrar uma fitinha no punho e muitas outras bobagens.

Que pena que a maior parte da população creia assim, se comporte assim, pense assim. Tudo porque lhes falta o verdadeiro conhecimento de Deus e de sua palavra. Há uma maneira de vermos essas comemorações, se olharmos pelo lado mais positivo da vida, sem a afetação da maioria que não pensa como nós. “Vi que nossos feriados não devem ser despendidos da maneira como o faz o mundo, embora não devam ser ignorados, pois isto causará insatisfação a nossos filhos. Nessas ocasiões em que há o perigo de nossos filhos serem expostos a más influências e se corromperem pelos prazeres e atrações do mundo, estudem os pais alguma coisa que possa tomar o lugar de divertimentos mais perigosos. Dai a entender a vossos filhos que tendes em vista o seu bem e felicidade” (Testimonies, vol. 1, págs. 514 e 515). “Pela observância dos feriados tem o povo, tanto do mundo como das igrejas, sido educado na crença de que esses dias de indolência são essenciais para a saúde e a felicidade, mas os resultados revelam que estão repletos de males” (Fundamentos da Educação Cristã, pág. 317).

Os anjos vão registrar nos livros do céu um dia de busca de prazer. Se pensarmos no trabalho de Deus, a quem ajudamos nesse dia? O que iríamos ver, se pudéssemos ver o que o anjo relator escreveu nos livros do céu? Iríamos ver a frase: Um dia perdido! Exatamente porque nesse dia nenhum bem se realiza, a não ser festar e comer. Talvez seja melhor passar o dia em árduo trabalho do que ter que se confrontar com esse dia mal gasto no juízo. Afinal, o tempo é uma dádiva de Deus para ser usado em benefício nosso e de outros. Nessa ocasião, seria bom fazermos uma reunião familiar e uma roda de agradecimentos pelo ano que estamos findando e encomendar nossa vida nas mãos daquele que sabe o que é melhor para cada um de nós. É difícil mudar a tradição da virada, mas é possível.